copyright © kausthub desikachar.

Reproduzido com a autorização de Kausthub Desikachar


Artigos

T. KRISHNAMACHARYA E SEU YOGA - Uma Evolução (1920 – 1989)

Imagine alguém que soubesse de cor o Ramayana – poema com 24 mil versos, o Mahabharata – um épico maior do que a Ilíada e a Odisséia, de Homero – todas as principais Upanishads, as seis escolas de filosofia da Índia, e a ciência do Ayurveda – sistema de medicina tradicional indiano. Imagine essa mesma pessoa como o mestre cujos ensinamentos revolucionaram o mundo do Yoga, que falava fluentemente mais de doze línguas oficiais da Índia e, ainda assim, vivia modestamente com sua família em uma casa de uma só peça. Embora seja difícil imaginar alguém dessa grandeza, esses são exatamente os atributos que fizeram de Sri T. Krishnamacharya um dos maiores mestres da história da Índia.

Nascido em 1888, Tirumalai Krishnamacharya tinha um desejo ardente de buscar o melhor dos ensinamentos. Viajando extensa e intensamente em seu país, ele estudou com os melhores professores e cedo se tornou mestre nos sistemas filosóficos tradicionais indianos. O aprendizado de Yoga que recebera ainda na infância motivou-o a procurar aquele que seria seu mestre no Tibet, com quem passou sete anos e meio dedicado ao aprendizado. Ao fim desse tempo, esse professor pediu-lhe que retornasse à sua cidade, constituísse família e difundisse o que havia aprendido de Yoga.

Embora toda a sua erudição o habilitasse a conseguir trabalhos que lhe dariam prestígio, riqueza e poder, Krishnamacharya permaneceu devotado exclusivamente ao Yoga, seguindo a orientação de seu professor.

Em sua experiência de seis décadas ensinando Yoga, T. Krishnamacharya fez contribuições de inestimável valor. Embora ele não esteja mais entre nós, seus ensinamentos continuam vivos e populares graças aos esforços de seus alunos, que são hoje considerados autoridades mundiais em Yoga.

Traçamos aqui a evolução na forma como T.K. ensinou Yoga, em particular Yogasanas.


VAJRAKAYA – 1920 A 1930
Esse período começa no início dos anos 20. Krishnamacharya ensinava no palácio de Mysore. Nessa época, havia necessidade de demonstrar os benefícios e poderes do Yoga, por isso seu estilo de prática e ensino procurava tornar claro esse aspecto.

O estilo de ensinar adotado por ele objetivava a maestria do corpo, ou ter um vajrakaya (um corpo de diamante). Ele demonstrou essa possibilidade de diferentes maneiras, inclusive parando voluntariamente seus batimentos cardíacos, fazendo asanas sobre uma outra pessoa, jejuando por vários dias seguidos e ainda através de outros feitos normalmente impossíveis.

Krishnamacharya demonstrando sobre um aluno


MANDALA – 1930 A 1950
A partir de 1930, Krishnamacharya adotou o método de ensinar séries de posturas, executadas de forma dinâmica. Ele explicitou essa técnica no livro que escreveu na época, chamado “Yoga Makaranda” (a essência do Yoga). A combinação de posturas nessas seqüências dinâmicas se destinava aos níveis de energia das crianças que ele então ensinava no Palácio de Mysore. Chamadas vinyasa krama, essas seqüências ainda hoje estão em voga, já que são muito atraentes e úteis para crianças. Foi durante esse período que os hoje famosos professores BKS Iyengar e Pattabhi Jois foram alunos de T.Krishnamacharya.



SHIKSHANA – 1960 A 1870
Após mudar-se para a cidade de Madras, no final dos anos 50, a abordagem adotada por ele ao ensinar recebeu o nome de shikshana. Aqui, a perfeição das posturas era o foco. E a perfeição das posturas não se baseava apenas na forma, mas também na respiração. Seu objetivo era que cada postura da seqüência fosse executada corretamente e, além disso, com uma mesma razão respiratória ao longo de toda a série.

Foi nessa época que TKV Desikachar começou suas aulas com Krishnamacharya

T. Krishnamacharya ensinando Desikachar



YATHA SHAKTI – 1970 a 1980
A partir do início dos anos 70, a abordagem dominante na forma de ensinar de Krishnamacharya foi a de adaptar o Yoga levando em conta as habilidades de cada praticante.

Embora ele tivesse praticado yoga-terapia ao longo de toda a sua vida, foi nesse período que ele estabeleceu a parte mais importante do seu ensinamento. Usando a capacidade das pessoas como ponto de partida, ele gradualmente as levava em direção a uma saúde melhor.



ANGALAGHAVA – 1980 a 1985
Reconhecendo que seus alunos tinham cada vez menos tempo para a sua prática diária de Yoga, Krishnamacharya desenvolveu um método de praticar que exigia menos tempo, mas proporcionava leveza do corpo (significado das palavras anga-laghava).

O método combina diferentes posturas, que podem ser alcançadas através de passos fáceis, a partir de um mesmo ponto de início. A técnica foi explicitada por Krishnamacharya em um livro que ele escreveu nessa época, intitulado “Yogasanagalu”. Esse tipo de combinação de posturas ajudou a otimizar o tempo que os alunos podiam destinar à prática de Yoga.



SVADHYAYA – 1985 a 1989
Nos seus muitos anos de ensino, Krishnamacharya não foi para seus alunos apenas mestre de Yoga, mas também um orientador espiritual. Com o passar dos anos, ele percebeu que os caminhos espirituais dos alunos, associados à prática de Yoga, poderiam ser uma jornada em direção à calma interior. A partir daí, ele introduziu o Canto Védico nas práticas de seus alunos e ajudou-os a trilhar seu próprio caminho espiritual por meio do Yoga.

Também nesse tipo de ensinamento, ele respeitava a crença religiosa do praticante, sugerindo para recitação durante a prática passagens apropriadas à sua cultura e tradição espiritual.


O que foi apresentado aqui não é senão uma pequena parte da contribuição de T. Krishnamacharya aos campos do Yoga, espiritualidade, saúde e estilo de vida. Suas numerosas outras contribuições incluem composições, comentários a escrituras, traduções, poemas e inúmeras abordagens de ensino.

No campo do Yoga, suas outras contribuições incluem o YOGAVALLI – um extenso comentário ao YOGASUTRA de Patanjali, ainda inédito. Também a ele se deve o renascimento de textos como o YOGARAHASYA, traduções de escrituras como HATHAYOGA PRADIPIKA e YOGAYAJÑAVALKYA SAMHITA, poemas como o YOGANJALISARAM e o DHYANAMALIKA e incontáveis artigos e ensaios sobre diferentes temas, que elucidam os mais profundos mistérios do Yoga.

Fora do campo do Yoga, ele contribuiu ainda com comentários ao VEDANTASUTRA. Seu conhecimento de Ayurveda era tão profundo, que ele mesmo se encarregava de preparar os remédios com que tratava seus pacientes. Krishnamacharya combinava Yoga e Ayurveda para que seus alunos se recuperassem rapidamente. Era também um mestre dos VEDAS, UPANISHADS e rituais, sobre os quais escreveu extensos comentários e cujos segredos compartilhou com o mundo.

Falar das qualidades de um homem como esse é quase impossível. É como apreciar a beleza de uma folha da figueira, enquanto a imensa árvore ainda fica por ser descoberta.

.